Qualidades necessárias a um bom texto

Qualidades necessárias a um bom texto

 

1 – Como conseguir unidade

  • Use sempre que possível tópico frasal explícito.
  • Evite pormenores impertinentes, acumulações e redundâncias (eles abafam a ideia principal).
  • Frases entrecortadas frequentemente prejudicam a unidade do parágrafo; selecione as mais importantes e transforme-as em orações principais de períodos menos curtos.
  • Ponha em parágrafos diferentes ideias igualmente relevantes, relacionando-as por meio de expressões adequadas à transição.
  • O desenvolvimento da mesma ideia-núcleo não deve fragmentar-se em vários parágrafos; mantenha-as num só parágrafo.
  • Não se afaste da ideia expressa no tópico frasal.

2 – Como conseguir ênfase

A inversão da ordem pode dar à frase mais vigor e energia ou o maior relevo que queremos dar a um termo:

  • Deus fez o homem a sua imagem e semelhança.
  • O homem, fê-lo Deus a sua imagem e semelhança.
  • A sua imagem e semelhança, fez Deus o homem.
  • Fez Deus o homem a sua imagem e semelhança.

Observe as diferenças de enfoque nas construções abaixo

  • Ênfase em quem protagonizou a ação:

Pedro da Silva, pedreiro, de trinta anos, residente na Rua Xavier, 25, Penha, matou ontem, em Vigário Geral, seu colega Joaquim de Oliveira, com uma facada no coração, porque este não lhe quis pagar uma garrafa de cerveja.

  • Ênfase em quem sofreu a ação:

Joaquim de Oliveira foi assassinado ontem, em Vigário Geral, com uma facada no coração, dada por seu colega Pedro da Silva, por se ter negado a lhe pagar uma garrafa de cerveja.

  • Ênfase no como:

Com uma facada no coração, Pedro da Silva matou ontem seu colega Joaquim de Oliveira porque…

  • Ênfase no onde:

Em Vigário Geral, Pedro da Silva matou ontem seu colega…

  • Ênfase no quando:

Ontem, em Vigário Geral, Pedro da Silva matou seu colega…

Ordem gradativa – Observe o crescendo nos exemplos abaixo

  • Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba. (Padre Vieira)
  • …é só relembrando, revivendo, ressofrendo as suas dores que a Alma se corrige, se liberta, se aperfeiçoa, se torna mais própria para Deus. (Eça de Queirós)

Repetições intencionais

  • Mentira de tudo, em tudo, por tudo[…]Mentira nos protestos. Mentira nas promessas. Mentira nos programas. Mentira nos projetos. Mentira nos progressos. Mentira nas reformas. Mentira nas convicções. Mentira nas transmutações. Mentira nas soluções. Mentira nos homens, nos atos, nas coisas. Mentira no rosto, na voz, na postura, no gesto, na palavra, na escrita. Mentira nos partidos, nas coligações, nos blocos. (Rui Barbosa)

Pleonasmos intencionais

  • Os medíocres, esses deixam-se levar sem resistência na torrente das inovações.

Paralelismos

  • Não saí de casa, não só por estar chovendo mas também por ser ponto facultativo.
  • É necessário que chegues a tempo e que tragas a encomenda.
  • […] delicada como todas as flores, voluptuosa como todas as pombas, luminosa como todas as estrelas. (Eça de Queirós)

A má colocação de um termo pode dar ambiguidade ao texto

  • A moto em que ele passeava lentamente saiu da estrada.
  • Ela perdeu a chave do cofre de jóias que tinha deixado em cima do armário.
  • Apanhado com o bolso cheio de relógios, o guarda prendeu Jerônimo.

 

3 – Coerência

A coerência é responsável pela continuidade de sentidos em um texto. Ela é o resultado de uma complexa rede de fatores de ordem linguística, cognitiva e interacional. Segundo Marcuschi, a simples justaposição de eventos e situações em um texto pode revelar ou criar relações de coerência.

Ex: Noite fechada. O olhar se perde na escuridão. Nenhum sinal de luz a distância. Aproxima-se do filho adormecido. Melhor esperar o dia.

Como conseguir coerência: algumas sugestões

  • Ordem cronológica
  • Ordenação espacial
  • Ordem lógica

Ordem cronológica

  • Na Idade Média, as crianças eram vistas como homens e mulheres de tamanho reduzido. Não se dava aos pequenos mais atenção que aos animais domésticos, e os filhos se afastavam dos pais ainda muito jovens. Entre os séculos XV e XVI, pais e filhos tornam-se mais próximos afetivamente. A criança é reconhecida como um ser diferente do adulto. No final do século XVII, a disseminação das escolas muda a visão dos adultos sobre os filhos. Os pais passam a conviver mais com as crianças, até então tidas como “enfeites”. A família passa a se organizar em torno dos filhos. A criança do século XIX sai do anonimato. Polariza a atenção dos adultos. A educação é severa. De meados deste século para cá, substitui-se o rigor vitoriano pela teoria de que a criança precisa brincar. Um dos grandes marcos dessa filosofia é a escola inglesa Summerhill.    Veja, 30 de julho, 1997

Ordenação espacial

  • O porto era pequeno e sem atrativos. À esquerda ficava a doca de madeira, onde estavam atracados mirrados barcos de pesca. À direita, quase na linha d’água, ao lado do prédio da Alfândega, ficava o cais dos navios, com seu guindaste solitário coberto de pó preto de carvão. Moreno e Guedes

Ordem lógica

  • A mocidade é essencialmente generalizadora. Os casos particulares não interessam. A análise, exigindo demora e paciência, repugna ao espírito imediatista da mocidade, que não quer apenas mas quer já. E quer em linhas gerais que tudo abranjam. Esse espírito de fácil generalização leva os moços a concluírem com facilidade e a julgarem de tudo e de todos com precipitação e vasta dose de suficiência. Tudo isso, porém, é utilíssimo para os grandes empreendimentos que exigem certa dose de temeridade para serem levados avante. A mocidade é naturalmente totalitária e as soluções parciais não lhe interessam ou pelo menos não a satisfazem. Alceu Amoroso Lima (Idade, sexo e tempo)

 

4 – Como conseguir clareza por meio da organização

A organização determina e orienta a estrutura de um texto em torno de uma ideia central. A forma de ordenação, como também a combinação de formas de ordenação escolhidas, submetem-se a essa ideia central. É preciso que  se atente para a organização do texto no seu todo e em cada uma das partes.

Assim, até mesmo a posição dos termos dentro de uma oração (ou a ordenação das orações no período e no parágrafo) conduzirá o leitor à percepção da importância maior ou menor de um fato ou de um argumento.

A  preocupação com a unidade obriga a que todas as ideias contidas no texto se relacionem com a ideia central e sejam relevantes para sua apresentação e desenvolvimento. O emprego de nexos, elementos que inter-relacionem e deem seguimento aos pensamentos é significativo na composição do texto. A seleção e a ordenação das ideias e dos parágrafos devem seguir uma ordem lógica, que seja esclarecedora do assunto que se deseja apresentar. A sequência dos pontos apresentados e sua inter-relação são acentuadas pela escolha de termos adequados para a transição, estabelecendo, assim, a coerência interna do texto.

 

5 – Como conseguir concisão

  • A concisão determina que o texto seja enxuto, isto é, que se evitem expressões e explicações desnecessárias, bem como repetições de palavras e de ideias já abordadas, sem prejuízo da clareza (para estabelecer a clareza e o realce, a repetição é, muitas vezes, recurso significativo; fora isso, deve ser evitada).

 

OBJETIVIDADE

A objetividade é a exigência primeira dos textos técnicos, teóricos ou escolares/acadêmicos, o que não significa neutralidade, mas intenção, necessidade de compartilhar informações sem dar margem a múltiplas interpretações.

 

DOIS OU MAIS ENUNCIADOS EM GRADAÇÃO ESTABELECEM UMA ESCALA ARGUMENTATIVA.

Quando se pretende valorizar um argumento, destacar sua relevância, deve-se partir dos elementos menos significativos para os mais significativos.

Ex.: Ao encontro, compareceram personalidades do mundo artístico, representantes dos meios políticos e também o Presidente da República.

Quando, ao contrário, a intenção for criar um esvaziamento, um declínio, invertem-se os elementos da escala.

Ex.: Não esteve presente o Presidente da República, não estiveram presentes pessoas influentes dos meios políticos, não estiveram presentes personalidades do mundo artístico.

 

Textos de apoio

Os textos aqui apresentados foram colhidos na internet e em exemplos, sugestões e exercícios de Othon Moacir Garcia, Magda Becker Soares e Edson Nascimento Campos, Cláudio Moreno e Paulo Coimbra Guedes.

http://blogpalavra.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*