O material aqui apresentado se divide em DUAS PARTES: uma, a que denominamos TEXTO, voltada para quem quer aprender a redigir, aponta aspectos que devem ser observados na interpretação e na elaboração de textos e destaca algumas informações para facilitar a correção gramatical; a outra, TECEDURAS, traz pequenas narrativas e crônicas dedicadas a quem gosta de ler.

Teceduras

Um pedido de desculpas e um agradecimento.

Nem sempre os compreendemos. Deixamos passar momentos. Não valorizamos o boneco diferente com tanto acerto escolhido, a capa do caderno novo que despertou tanto entusiasmo. Não percebemos a dúvida, o medo por trás dos questionamentos, as incertezas que marcam seus passos, a solidão em que tantas vezes os abandonamos.

Eles, no entanto, nossos meninos, nossas crianças, estão sempre a enfeitar nossas vidas e, com sua inocência, a nos arrastar para a incrível aventura de viver.

Registrar a natureza, as gentes, as relações é um desafio e um prazer. Desafio, pela busca da palavra capaz de melhor enfocar a percepção fugaz ou a impressão duradoura. Prazer, pela alegria do encontro com o texto, pela possibilidade de usar a palavra em benefício do relato, de compartilhar aquilo que era apenas emoção.

O Texto

Você já visitou uma tecelagem? Se não, por certo já viu um tecelão executando seu trabalho no tear ou acompanhou o cuidado de quem monta uma tapeçaria, definindo figuras e cores, determinando espaços ocupados e vazios. Cada parte deve ser estruturada de forma a, ao mesmo tempo, completar-se e ligar-se ao todo a que pertence.

O mesmo cuidado que se observa em quem trabalha com o fio se espera de quem trabalha com o texto escrito.

O que é um texto? Nada mais que um tecido feito de palavras, painel em que as cores e formas são construídas pelas ideias que as palavras ora traduzem, ora despertam. A dificuldade está em que as figuras, assim como as impressões e as opiniões, devem ser tecidas apenas com palavras. Todo texto tem sua lógica interna, que resulta da maneira como o autor sentiu o tema e da forma que escolheu para expressá-lo. Disso resulta sua tecedura.

Para bem interpretar um texto, é preciso que se descubram os recursos de que se valeu o autor em sua organização, que são de sua livre escolha, mas de forma alguma caóticos. Pelo contrário, são as peças que o vão compondo, assim como as notas musicais se somam na tessitura das melodias.

Gramática soa como palavrão e ameaça para um grande número das pessoas. No entanto, na maioria das vezes, as ditas normas apenas registram o que já é costume na prática. O que, no uso, apresenta diferentes formas, vai sendo aceito como localismo e, muitas vezes, acaba incorporado à língua padrão.

Dizer que o aprendizado da língua portuguesa é tarefa das mais difíceis pode até ser verdade se estivermos falando num aprendiz estrangeiro. Não para nós. Nosso idioma faz parte de nossa identidade, da construção de cada um como pessoa, como indivíduo social e está em nossa memória mais antiga. É com ele que nos comunicamos e ouvimos comunicar desde nosso nascimento – e antes até.

Aqui apresentamos algumas dicas, alguns lembretes, para facilitar seu dia a dia como falante e/ou escrevente.

Bom proveito.

Redigir é um desafio. Tomar o assunto, avaliar o conhecimento que temos sobre ele, torná-lo nosso, listar os possíveis argumentos, dar-lhes uma ordenação em conformidade com nossas intenções e, então, redigir – transformar em palavras e parágrafos aquilo que existe como ideia, como vontade de expressão.

Aqui trago algumas dicas, algumas orientações que, espero, venham ajudá-lo nessa tarefa.

A leitura de um bom livro é um diálogo incessante:

o livro fala e a alma responde

André Maurois

Para mim, escrever é uma conversão

de minhas forças em frases.

Joseph Conrad

Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en sí mismo.

Pablo Neruda